DELEGAÇÃO LATINO-AMERICANA


VERSOS DE OURO DE PITÁGORAS

Introdução

A publicação desta nova tradução dos “Versos de Ouro” de Pitágoras, realizada por Tikairos, se justifica com a imperfeição das traduções existentes.

Quanto ao sentido e o lugar dos preceitos contidos nos “Versos de Ouro” estes podem ser usados como um rito inicial sem obstáculos (Galeno dizia que estava acostumado a recitá-los no final e no começo do dia), que não exclui nenhum outro. Existem duas vias para se alcançar aquele destaque, que permite a percepção da realidade sutil e o contato com as forças ocultas do universo; harmonizando, ou melhor forçando. O perfeito equilíbrio do corpo e da alma, o estado de justiça, sentir-se em paz consigo e com os outros, permite dirigir-se em uma outra direção onde existem forças sutis da alma, que dormem até que se fique nas ações, nas reações e agitações de uma existência agitada e preocupada. Mas é igualmente verdade que se pode atingir o mesmo objetivo por imposição agindo diretamente nos limites interiores da alma, e a via, então, é livre de preceitos morais no sentido estrito (como poderia também ser o hábito da vida comum dos homens), e pede somente energia, intrepidez, faculdade de superação e de renúncia. Os “Versos de Ouro” se referem à primeira direção: para aqueles que a escolhem, estes podem constituir então uma preparação útil.


(continua na página Kremmerz)


A MULHER E A INICIAÇÃO

Escreve Giustiniano Lebano (1831-1910) mestre de Giuliano Kremmerz, no capítulo Vº intitulado “Os mistérios da virgindade” de um manuscrito inédito dedicado às antigas iniciações:

“Um fato especial caracteriza a iniciação dada aos Romanos por Numa, é a importância típica dada à mulher, tendo como exemplo os Egípcios que adoravam a divindade suprema com o nome de Ísis”.

Nas iniciações da antiga Grécia são as bacantes que roubam o segredo iniciático de Iaco que em Roma assumirá o nome de Baco

“…e Numa pedirá as suas inspirações à sábia e discreta Egéria a deusa do mistério e da solidão. Aquilo que deve garantir o futuro de Roma é o culto da pátria e da família. Numa o entendeu e ele aprendeu com Egéria como se honra a mãe dos deuses. Deve ser-lhe construído um templo esférico e embaixo da sua cúpula deve queimar um fogo que nunca deve se apagar. Este fogo é protegido por quatro virgens que se chamarão vestais e que serão circundadas por honras extraordinárias se forem fiéis, punidas com rigor excepcional se não cumprirão a promessa feita. A tradição mágica de todas as épocas acena à virgindade como a alguma coisa de sobrenatural e de divina. A mulher não é mais a escrava oriental, é a divindade doméstica”.

(Imagem ao lado: Deusa Flora)

(continua na página Magnani)


Arturo Reghini - SABEDORIA ETERNA - Volume II -
MAGIA – PITAGORISMO - em breve


apresentaÇÃo do i° volume da «sabedoria eterna» de arturo reghini

SÃO PAULO 8 DE JUNHO DE 2017

O DESPERTAR DE HERMES

Reflexões ao Despertar de Hermes


(na página Academias)

Accademie Hermetiche Kremmerziane Unite

última atualização maio de 2018

Newsflash